Como substâncias psicodélicas influenciaram o desenvolvimento da tecnologia contemporânea

Os psicodélicos desempenharam um papel vital na configuração da tecnologia como a conhecemos e continuam a influenciar seu desenvolvimento futuro. Na década de 1950, Oscar Janiger conduziu experimentos com LSD em mais de 950 pessoas em sua residência em Los Angeles, visando compreender o impacto da droga na criatividade. Cada participante teve sua experiência minuciosamente registrada. Ao final dessa notável jornada, Janiger concluiu que o LSD não tornava as pessoas intrinsecamente mais criativas, mas podia influenciar positivamente aqueles que já possuíam uma mente criativa.

Assim como Stanislov Grof, conhecido por descrever os psicodélicos como “amplificadores não específicos”, Janiger reconheceu que o LSD não despertaria automaticamente a criatividade em indivíduos não criativos. Contudo, para mentes criativas, a substância poderia proporcionar insights sobre a natureza de sua arte. Em suas palavras, “a natureza da experiência individual com a droga reflete a ação psicofisiológica básica da substância à medida que interage com a experiência de vida total que a pessoa traz consigo.”

A lição extraída é clara: para os pensadores futuristas, os psicodélicos podem oferecer apenas uma visão do que está por vir. E se o seu sonho envolve avanços tecnológicos, essas substâncias podem ser aliadas na busca por criar algo inovador.

Perspectivas Futuras

Albert Hoffmann, profundamente impactado pelos efeitos do LSD em sua mente, dedicou décadas à busca por compreensão. Seu laboratório distribuiu amostras globalmente, buscando potenciais usos terapêuticos para esse peculiar derivado do ergot. A descoberta do LSD desempenhou um papel significativo no avanço do campo da neurociência, fascinando os pesquisadores com os efeitos singulares resultantes de pequenas doses desse ácido.

Os inúmeros estudos de pesquisa conduzidos nas décadas de 1950 e 1960 abriram novos horizontes na ciência, como observado por Janiger, proporcionando aos pensadores criativos uma ferramenta poderosa em seu arsenal cognitivo.

Em 1973, Timothy Leary antecipou um futuro em que o mundo estaria interconectado por um novo “sistema nervoso eletrônico”. Embora sua mensagem inicial tenha refletido ideais de paz e amor nos anos sessenta, Leary adaptou seu discurso quando a era de Carter deu lugar à presidência de Reagan, passando a pregar que o ciberespaço era o caminho a seguir. Ele acreditava que os psicodélicos poderiam impulsionar o progresso tecnológico. Anos mais tarde, os cyberpunks considerariam a visão profética de Leary como uma inspiração para a Internet.

A Relação LSD-Apple

Enquanto os hippies advogavam por um “retorno à terra”, o Vale do Silício já vislumbrava um futuro digitalmente interconectado. Steve Jobs creditou suas experiências com LSD como uma das “duas ou três coisas mais importantes” de sua vida. O visionário da computação confessou ter consumido cubos de açúcar misturados com LSD de 10 a 15 vezes entre 1972 e 1974, e a Apple foi fundada em 1976.

Será que toda a revolução dos computadores pode ser atribuída aos psicodélicos? Provavelmente não, mas Leary acreditava que isso explicava em parte. Ele referiu-se aos computadores pessoais como “o LSD da década de 1990” e atualizou seu mantra para “ligar, inicializar, conectar”.

Leary foi um dos principais defensores dos cyberpunks, defendendo que o LSD e a psilocibina poderiam ajudar a transcender o mundo mundano nos anos sessenta; duas décadas depois, ele acreditava que uma combinação de psicodélicos e drogas inteligentes permitiria transcender o espaço e o tempo.

Assim como em suas intrigas mediáticas anteriores, os adeptos do movimento cyberpunk apreciaram a visão de Leary sobre uma utopia tecnológica impulsionada pelo LSD. Nem todos compartilharam dessa crença. No entanto, ele corroborou o que Janiger descobrira 30 anos antes: se você é um pensador criativo, os psicodélicos podem ajudá-lo a potencializar sua criatividade. E se sua inventividade estiver voltada para o desenvolvimento de aplicativos, seu software pode ser verdadeiramente revolucionário.

Navegadores do Vale do Silício

Apesar de Leary ser considerado o bufão cósmico da era hippie, muitas de suas visões tecnológicas estão gerando resultados. A palavra “psicodélico”, cunhada pelo psiquiatra Humphry Osmond em 1956, denota “manifestação da mente”. Leary reconhecia que a imaginação tem um potencial infinito para dar forma a ideias, por mais “distantes” que sejam. Os visionários do Vale do Silício e sua inclinação à microdosagem para aumentar a produtividade abraçaram esse chamado à ação.

Uma dessas inovações tecnológicas é o Neuralink, uma interface cérebro-máquina inovadora que promete conectar pensamentos ao software. Tornar o mouse irrelevante (movendo o cursor com a mente) é apenas uma perspectiva futurista no horizonte criativo do software.

Outra iniciativa é a Cybin, que se associou aos fabricantes de tecnologia de neurociência da Kernel. Juntos, desenvolveram um scanner de ressonância magnética funcional que monitora a atividade cerebral durante o estado alterado da mente. Os colaboradores almejam que esse dispositivo se torne uma peça doméstica comum na década de 2030.

Entretanto, nem todas as tecnologias psicodélicas estão catalisando uma revolução. Andrew Williams relatou sobre a conferência Awakened Futures em 2019, onde destacou a confusa interseção de rituais e aplicativos. Inovações tecnológicas, como o uso terapêutico da psilocibina para tratar o medo existencial, e videogames que abordam terapeuticamente a depressão e o TDAH, estão mesclados em um ritual de manifestação da mente. Em uma nota positiva, pensadores livres e visionários imaginam a fusão do antigo com o futuro em aplicativos focados na tecnologia, abrangendo todas as condições imagináveis de saúde mental. Plataformas como PsycheDev e Field Trip estão acelerando esse movimento, acostumando os usuários psicodélicos a aprimorar suas experiências por meio da tecnologia.

Futuro à Frente

Possivelmente, uma falta de confiança nas manifestações passadas, o recuo de Leary em Birkenstocks, perturbou Williams. Ele descreve a experiência com detalhes elucidativos.

“Mais cedo naquela manhã, eu peguei um copo de papelão com cacau cerimonial de uma bandeja segurada por um cara usando um cordão em uma sala escura com luzes de rave em câmera lenta e um DJ chamado East Forest vibrando em um microfone enquanto todos estavam sentados, leigos ou interpretativos dançavam descalços ao som de uma música que consistia principalmente de drones, assobios e o mantra entoado ‘Eu sou um guru’. Só ali, no vaso sanitário, considerei que engolir o líquido turvo poderia ter sido uma má ideia. Mas o cacau e os nootrópicos são para a Awakened Futures o que as garrafas plásticas de água e as balas são para uma conferência de negócios, então, com o estômago ainda roncando, voltei para o auditório.”

Tecnologia-Topia

Talvez isso faça parte do acordo. Uma sociedade globalizada usará peças díspares ao tentar criar uma “teoria de tudo”. Talvez Ken Wilber estivesse certo em sua tentativa frenética de conectar toda a história do mundo em um único fio. Parece uma jornada intensa de LSD. O momento em que sua mente se ilumina e você pensa “aha!” momentos depois chega à verdadeira compreensão: “Espere, o que foi isso mesmo?”

Uma definição concisa de tecnologia: “a aplicação do conhecimento científico para fins práticos, especialmente na indústria”.

Os defensores dos psicodélicos muitas vezes evitam o capitalismo, em teoria, se não na prática. Não há nada monótono na visão do futuro durante uma cerimônia de ayahuasca. As empresas de tecnologia que capturam esse sentimento em seus telefones, fones de ouvido e Oculus transportam o impulso criativo de Janiger e a visão tecnológica de Leary para o presente. O trabalho árduo dessa visão está se manifestando na realidade – um desafio que pelo menos alguns pensadores do futuro estão dispostos a aceitar. Ainda não está claro se essas tecnologias nos beneficiarão ou se revelarão ser investimentos caros.

Fonte: Psychedelic Spotlight

Horário de atendimento:

Segunda à Sexta-feira das 08:30 às 17:00

Responsável Técnico – Dr Carlos David Segre

CRM 10.596 / SP

+55 11 98993-9921
+55 11 3195-4821

Instituto Alma Viva Ltda – Cnpj: 46.833.974/0001-57 – Rua Sabará, 566 (Conj. 212/214) – Higienópolis – São Paulo – SP

Copyright © 2022 Todos os direitos reservados.


Psiquiatra e psicólogo, inscrevam-se para 2ª turma, Pós em Psicoterapia Assistida por Psicodélicos, aprovada pelo MEC. As aulas começam em 22 de junho.