Contexto histórico sobre o uso do MDMA em psicoterapia

Evidências crescentes apoiam a terapia assistida por 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA) como tratamento do transtorno de estresse pós-traumático (TEPT). O MDMA é um entactogênio que promove a inibição e liberação da recaptação de monoaminas, principalmente por induzir a mudança conformacional dos transportadores pré-sinápticos, modula efetivamente a reconsolidação da memória do medo, aumenta a extinção do medo e promove a abertura e o comportamento pró-social. 

O MDMA, devido às suas propriedades benignas, estimulantes e não alucinatórias, foi usado por algumas dezenas de psicoterapeutas nos Estados Unidos entre 1977 e 1985, antes da proibição legal. 

A partir da análise do contexto e práticas do uso psicoterapêutico durante esses anos, verificou-se que algumas das diretrizes, recomendações e precauções desenvolvidas são semelhantes às que se aplicam às drogas psicodélicas, mas outras são específicas para o MDMA.

Com a regulamentação nos EUA, ocorrida pela Lei de Substâncias Controladas (CSA), houve a retomada dos estudos sobre os benefícios das substâncias psicodélicas e o MDMA foi considerado uma droga útil por alguns psicoterapeutas profissionais. Os terapeutas pioneiros no uso do MDMA foram capazes de desenvolver técnicas (e indicações/contra-indicações) para as terapias individual e de grupo, que lançaram as bases para o uso do MDMA. 

Os estudos realizados no início da década de 2000, controlados por placebo forneceram dados preliminares de segurança e eficácia sobre o uso de MDMA no auxílio à psicoterapia para transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) resistente ao tratamento.

As primeiras pesquisas sobre os efeitos do MDMA na psicoterapia consistiram na análise da mescalina e alguns dos seus derivados, pesquisados ​​por sua atividade alucinatória desde o início do século XX. Com a primeira descrição dos efeitos psicofarmacológicos específicos do derivado da mescalina Metilenodioxianfetamina (MDA), que induzia um estado de emoções intensificadas com menos atividade alucinatória e alteração cognitiva, no início da década de 1960, iniciaram-se os testes da substância MDA, como um agente para facilitar a psicoterapia.

O MDA teve efeitos sensoriais e cognitivos menos pronunciados e o seu principal efeito foi descrito pelos médicos como “abrir a pessoa” e intensificar as emoções, dando acesso a memórias e insights suprimidos. O MDA também foi utilizado em estudos de psicoterapia assistida por medicamentos. 

Em meados da década de 1970, identificou-se a toxicidade do MDA, que produziu algumas complicações médicas, abrindo espaço para o MDMA, a opção sintetizada, que parecia um MDA melhor, menos tóxico, com menor atividade alucinógena que o MDA e parecia ser uma droga terapêutica promissora. 

Surgiu, então, um grupo de pessoas interessadas no uso terapêutico do MDMA, conhecido como “grupo de Boston”, formado por um químico, algumas pessoas interessadas em desenvolvimento espiritual e psicoterapia, e outras associadas ao Instituto Artificial do MIT – Laboratório de Inteligência – e tiveram influência duradoura no uso terapêutico do MDMA, a partir de 1976. Eles sintetizavam periodicamente o MDMA e o distribuíam na região de Boston, realizando os testes em voluntários e descrevendo as experiências.

No período entre as décadas de 1970 e 1980, surgiu a The Association for the Responsible Use of Psychedelic Agents (ARUPA), que foi um centro para o desenvolvimento de novas técnicas psicoterapêuticas. Sua atividade entre 1978 e 1984 foi organizar reuniões, apenas para convidados no instituto, no estilo de conferências, para discutir o uso terapêutico de psicodélicos e o MDMA tornou-se um tema importante. 

Em 1985 foi realizada a primeira conferência sobre “MDMA em Psicoterapia” em Esalen, contando com 35 participantes estavam veteranos da pesquisa psicodélica e psicoterapeutas que utilizam MDMA em suas práticas. 

No relatório da conferência foi observado que o MDMA promoveu redução da atitude defensiva e do medo de lesões emocionais, facilitando assim a expressão mais direta de sentimentos e opiniões e permitindo que as pessoas recebam elogios e críticas com mais aceitação que o habitual. Muitos sujeitos vivenciaram a clássica recuperação de memórias traumáticas perdidas, seguidas do alívio dos sintomas emocionais.

As discussões resultaram na descrição de procedimentos para facilitar experiências e integração do MDMA na psiquiatria, resultando em um novo aspecto do trabalho terapêutico. 

O trabalho terapêutico com o uso do MDMA foi experimentado por diversos psicoterapeutas, estabelecendo-se diretrizes e um novo modelo, para o uso terapêutico do MDMA. 

Em 1978, o MDMA tornou-se conhecido como um complemento útil à psicoterapia e muitos psicoterapeutas foram inspirados pelo seu poder e eficácia, mas poucos trabalhavam com MDMA, quando ainda era legal. Estima-se que apenas algumas dezenas de terapeutas usaram MDMA num ambiente psicoterapêutico entre 1978 e 1985. A maioria destes terapeutas trabalhou na Califórnia e outros locais da costa oeste dos EUA.

Durante esse período, o MDMA não era um medicamento prescrito aprovado pela Food and Drug Administration (FDA), órgão governamental dos EUA, que faz o controle dos alimentos e substâncias controladas. Na Califórnia e em alguns outros estados, era completamente legal usar MDMA na prática médica, se a substância fosse sintetizada pelo médico, o consentimento informado, fosse fornecido pelo paciente e o protocolo de tratamento fosse baseado na literatura científica e revisado por pares. 

Como o MDMA era bastante desconhecido até 1983, os terapeutas estavam relutantes em publicar quaisquer conclusões preliminares, temendo que tais esforços apenas acelerassem a criminalização deste ‘psicodélico’ ainda legal, bloqueando futuras pesquisas. 

Em 1985, alguns artigos positivos sobre o uso terapêutico do MDMA apareceram na grande imprensa e ganharam algum apoio em uma declaração do Comitê de Especialistas em Dependência de Drogas da Organização Mundial da Saúde, que programou o MDMA internacionalmente. 

Nesse mesmo ano, foi publicada uma coleção de descrições das experiências com MDMA, tornando-se o primeiro guia completo para o uso de MDMA em psicoterapia e exploração espiritual. As diretrizes foram extraídas do trabalho de duas dúzias de terapeutas,que afirmaram a intenção ou propósito, como o fator mais importante para o uso eficaz e benéfico do MDMA em psicoterapia.

A primeira publicação sobre o uso terapêutico do MDMA apareceu sob o título “Using MDMA in Psychotherapy”, na revista Advances, em 1985. O artigo relatou uma conferência realizada no Instituto Esalen, demonstrando que, comparado ao LSD, o MDMA era muito mais fácil de lidar clinicamente, porque praticamente não induzia alucinações ou outras formas de alterações cognitivas e sensoriais e deixava o autocontrole intacto. 

O MDMA oferece a possibilidade de uma ruptura rápida e significativa com estruturas defensivas que são produto de traumas cumulativos e desqualificação comunicacional. Em muitos pacientes, ele observou uma mudança de uma espécie de isolamento pessoal para contato interpessoal e intimidade. 

O primeiro estudo de MDMA aprovado pela FDA em humanos, foi em 1992, após a rejeição de um protocolo, para avaliar os efeitos do MDMA em pacientes com câncer terminal com ansiedade, sendo necessária a realização de um estudo em voluntários saudáveis ​​para obter dados de segurança, e então obter a aprovação da FDA. 

As contraindicações observadas pelos primeiros terapeutas foram doenças que afetam qualquer órgão interno, hipertensão, diabetes, epilepsia, gravidez e história de psicose. Estes abordam os efeitos simpatomiméticos do MDMA, que são mais elevados em comparação com o LSD ou a psilocibina. No entanto, o perfil de segurança foi globalmente muito bom e os efeitos secundários do MDMA incluíram náuseas, tonturas, aumento da frequência cardíaca e ansiedade transitória, sem reações alérgicas.

Atualmente, seguem os estudos controlados por placebo com terapia com MDMA nos Estados Unidos, iniciados após 2004, incluindo os ensaios de Fase 3, esperados para estabelecer o MDMA como um medicamento de prescrição para uso em psicoterapia para TEPT e uma possível futura aprovação do MDMA pela FDA para o tratamento de TEPT.

Referências

PASSIE, Torsten. The early use of MDMA (‘Ecstasy’) in psychotherapy (1977–1985). Drug Science, Policy and Law, v. 4, p. 2050324518767442, 2018.

https://doi.org/10.1177/2050324518767442

Horário de atendimento:

Segunda à Sexta-feira das 08:30 às 17:00

Responsável Técnico – Dr Carlos David Segre

CRM 10.596 / SP

+55 11 98993-9921
+55 11 3195-4821

Instituto Alma Viva Ltda – Cnpj: 46.833.974/0001-57 – Rua Sabará, 566 (Conj. 212/214) – Higienópolis – São Paulo – SP

Copyright © 2022 Todos os direitos reservados.


Psiquiatra e psicólogo, inscrevam-se para 2ª turma, Pós em Psicoterapia Assistida por Psicodélicos, aprovada pelo MEC. As aulas começam em 22 de junho.