INTERAÇÕES ENTRE PSICODÉLICOS CLÁSSICOS E ANTIDEPRESSIVOS SEROTONINÉRGICOS

Há um ressurgimento de pesquisas sobre o uso de compostos psicodélicos clássicos, como psilocibina, dietilamida do ácido lisérgico (LSD), N,N -dimetiltriptamina (DMT) e mescalina, em ambientes clínicos. Evidências crescentes sugerem que psicodélicos administrados em ambientes controlados podem produzir melhorias rápidas dos sintomas de depressão, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e transtornos de ansiedade. No entanto, ainda é incerto como estes medicamentos interagem com os antidepressivos serotoninérgicos, inibidores da recaptação da serotonina (SRIs). 

Nas pesquisas clínicas atuais envolvendo drogas psicodélicas, muitos indivíduos são pacientes psiquiátricos que podem usar inibidores seletivos de recaptação de serotonina (ISRS) e medicamentos inibidores de recaptação de serotonina e noradrenalina (IRSN), para tratar sintomas de depressão, ansiedade, TOC ou pós-traumáticos, transtorno de estresse (TEPT) por longos períodos de tempo, antes do estudo clínico, devido à sua prescrição generalizada em populações psiquiátricas. 

Os ISRS e os SNRIs, que são classes de medicamentos que pertencem à categoria dos inibidores da recaptação da serotonina (SRIs), exercem seus efeitos bloqueando a recaptação da serotonina (5-HT). Acredita-se que esse bloqueio melhore a via de sinalização do receptor da serotonina 1A (5-HT), o que promove a tolerância ao estresse e a resiliência. 

Dada a falta de dados de segurança estabelecidos para psilocibina combinada e SRIs, os pacientes são normalmente obrigados a parar de tomar SRIs, por pelo menos 2 semanas, antes do início do ensaio. Esta precaução é tomada, em parte, devido à falta de evidências estabelecidas de segurança e a relatos de casos anteriores, que sugerem que o uso crônico de SRIs pode reduzir os efeitos subjetivos terapeuticamente importantes dos psicodélicos. 

Um estudo inicial publicou dois relatos de casos sobre a interação entre SRIs e psicodélicos, no qual ambos os pacientes relataram uma sensibilidade subjetiva diminuída à psilocibina ou ao LSD. Outro estudo observacional inicial investigou a possível interação entre SRIs usados ​​cronicamente e LSD em indivíduos que se ofereceram para serem entrevistados por meio de questionários padronizados. 

Verificou-se que 88% dos pacientes relataram uma diminuição da experiência de LSD ou uma eliminação virtual da sua resposta ao LSD após o uso de SRIs por mais de 3 semanas, apresentando resultados congruentes com os relatados anteriormente. 

Um recente ensaio clínico randomizado investigou ainda mais as potenciais interações farmacológicas entre psicodélicos e SRIs, avaliando os efeitos agudos da psilocibina em voluntários saudáveis ​​​​que foram submetidos a 14 dias de pré-tratamento com escitalopram (ISRS) ou placebo. 

Os resultados demonstraram que o pré-tratamento com escitalopram reduziu os efeitos fisiológicos da psilocibina e as más consequências dos medicamentos, como ansiedade e efeitos cardiovasculares. No entanto, não teve consequências nos efeitos positivos induzidos pela psilocibina. 

Este estudo sugeriu que os SRIs e a psilocibina poderiam ser administrados juntos de forma segura e eficaz, embora a curta duração do tratamento com escitalopram e a população composta por indivíduos saudáveis ​​limitassem a generalização dos resultados. No entanto, um recente estudo observacional retrospectivo que avaliou a interação potencial entre SRIs e psilocibina encontrou resultados contraditórios, mostrando que o uso simultâneo de SRIs enfraqueceu os efeitos subjetivos da psilocibina em cerca de metade dos indivíduos do estudo. 

Embora exista uma extensa pesquisa sobre as interações entre antidepressivos e outros medicamentos prescritos, até onde sabemos, apenas dois estudos modernos investigaram a interação entre SRIs e psicodélicos, apresentando resultados parcialmente contraditórios. 

As evidências para este tópico são baseadas em dados de pesquisas prospectivas, coletadas de pessoas que consomem psicodélicos em ambientes naturalistas e visam explorar diferenças potenciais nos efeitos subjetivos psicodélicos agudos entre indivíduos com diagnóstico psiquiátrico auto-relatado em tratamento com SRIs e aqueles que nunca usaram tais medicamentos, bem como a diferença potencial nas mudanças antes e depois, na autoavaliação dos sintomas depressivos e no bem-estar após o uso naturalista de drogas psicodélicas, entre essas duas populações. 

Os resultados deste estudo podem ter implicações para modificar o desenho da pesquisa e os critérios de inclusão para certos estudos clínicos e para informar o uso médico futuro, para maximizar a eficácia do tratamento e resultados positivos. 

As diferenças potenciais na qualidade de experiências psicodélicas subjetivas agudas entre indivíduos que relataram diagnósticos psiquiátricos que nunca foram tratados com medicamentos SRI (definidos como ‘SRI -‘) e aqueles atualmente em tratamento com SRIs (definidos como ‘SRI +’). Indivíduos ‘SRI -‘ apresentaram experiências psicodélicas subjetivas agudas significativamente mais intensas em comparação com indivíduos ‘SRI +’. 

Especificamente, em comparação com indivíduos que usavam SRIs no início do estudo, os ‘SRI -‘ tiveram experiências místicas significativamente mais intensas (18,2% mais intensas), experiências desafiadoras (50,9% mais intensas) e rupturas emocionais (31,9% mais intensas), com pequenas a tamanhos de efeito moderados. 

Não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos para alterações visuais induzidas por drogas. As mudanças no bem-estar e nos sintomas depressivos, antes e depois não foram significativas entre indivíduos ‘SRI -‘ e ‘SRI +’, após a experiência psicodélica e os dois grupos apresentaram melhorias comparáveis.

Esses resultados estão em consonância com os primeiros relatórios que sugerem que o tratamento crônico com SRIs pode reduzir os efeitos subjetivos dos psicodélicos e com um estudo recente, mostrando que o uso simultâneo de ISRSs/ SNRIs enfraqueceu os efeitos da psilocibina em cerca de metade dos sujeitos do estudo. 

No entanto, estes resultados estão parcialmente em desacordo com um recente ensaio clínico randomizado, indicando que o pré-tratamento com o ISRS escitalopram não teve impacto relevante nos efeitos positivos da psilocibina, mas reduziu significativamente as classificações de qualquer efeito da droga e efeitos nocivos das drogas. 

O pré-tratamento com escitalopram também reduziu os efeitos fisiológicos da psilocibina (frequência cardíaca e tamanho da pupila), embora os resultados tenham origem no uso psicodélico naturalista em ambientes não controlados, além disso, o estudo testou apenas o escitalopram, limitando a generalização a outros SRIs, como os SNRIs. 

Apesar das diferenças significativas na intensidade dos componentes emocionais da experiência subjetiva aguda entre os dois grupos, as melhorias nos sintomas depressivos e no bem-estar antes e depois do uso de psicodélicos foram comparáveis. 

Isto é consistente com um estudo recente sobre depressão resistente ao tratamento que descobriu que a terapia com psilocibina, administrada como tratamento adjuvante à terapia com ISRS, produziu reduções semelhantes nos sintomas depressivos, como quando a terapia com psilocibina foi administrada a pacientes que não estavam atualmente sob medicação. 

É concebível que as reduções observadas em certas facetas da experiência psicodélica entre os indivíduos ‘SRI +’ não tenham sido tão intensas a ponto de impedir os efeitos terapêuticos dos psicodélicos, levando a melhorias pós-experiência equivalentes. 

Há evidências clínicas crescentes de que as terapias assistidas por psicodélicos podem beneficiar pacientes que sofrem de depressão, ansiedade, TEPT e é prática clínica comum tratar pacientes diagnosticados com essas condições com SRIs. Portanto, é importante compreender se os candidatos à terapia psicodélica atualmente em tratamento com SRIs devem interromper a medicação antes de receberem um composto psicodélico. 

Embora seja prática comum parar de tomar SRIs pelo menos 2 semanas antes da experiência psicodélica em ensaios clínicos recentes, descobrimos anteriormente que a interrupção dos SRIs antes do início do estudo impactou negativamente os resultados, provavelmente devido ao surgimento de sintomas de descontinuação. 

Em outro estudo exploratório onde a combinação de psilocibina com ISRS parecia eficaz e bem tolerada. Estas descobertas levantam a questão de saber se seria mais prudente os indivíduos continuarem a tomar SRIs, possivelmente com uma dose reduzida, em vez de os interromper completamente antes da terapia assistida com psilocibina. 

Uma abordagem alternativa pode implicar sugerir aos pacientes períodos de redução gradual mais longos, com reduções hiperbólicas da dose da medicação ou regimes que envolvem redução parcial focada na redução da dose em vez da descontinuação completa. 

No entanto, esta abordagem também apresenta desafios, incluindo lacunas prolongadas no tratamento antes da terapia psicodélica e pode exigir a nova titulação de um antidepressivo em caso de falta/efeitos limitados da intervenção psicodélica.

Indivíduos que se presume estarem tomando antidepressivos serotoninérgicos durante o uso psicodélico apresentam efeitos subjetivos reduzidos, mas efeitos antidepressivos semelhantes em comparação com aqueles que não são submetidos ao tratamento com SRI. 

Referências

BARBUT SIVA, Jessica et al. Interactions between classic psychedelics and serotonergic antidepressants: Effects on the acute psychedelic subjective experience, well-being and depressive symptoms from a prospective survey study. Journal of Psychopharmacology, p. 02698811231224217, 2024.

https://doi.org/10.1177/02698811231224217

Horário de atendimento:

Segunda à Sexta-feira das 08:30 às 17:00

Responsável Técnico – Dr Carlos David Segre

CRM 10.596 / SP

+55 11 98993-9921
+55 11 3195-4821

Instituto Alma Viva Ltda – Cnpj: 46.833.974/0001-57 – Rua Sabará, 566 (Conj. 212/214) – Higienópolis – São Paulo – SP

Copyright © 2022 Todos os direitos reservados.


Psiquiatra e psicólogo, inscrevam-se para 2ª turma, Pós em Psicoterapia Assistida por Psicodélicos, aprovada pelo MEC. As aulas começam em 22 de junho.