MERCANTILIZAÇÃO, INVESTIMENTO E MONETIZAÇÃO DOS PSICODÉLICOS

Não há dúvidas de que os interesses privados desempenharão um papel importante na definição de qualquer implementação futura de terapias psicodélicas assistidas. Com a recente popularização dos psicodélicos e os primeiros sucessos dos ensaios clínicos, tem havido uma rápida resposta do mercado. 

Na verdade, desenvolveu-se uma indústria prospectiva, apontando para uma monetização expansiva do campo. As formas que estes empreendimentos assumirão responderão aos modelos regulamentares que emergem em várias jurisdições e ao carácter dos sistemas nacionais de saúde. 

Uma grande preocupação para investigadores, profissionais médicos e comentadores é a potencial separação entre modelos de negócios com fins lucrativos e saúde pública. A inquietação abrange desde questões como a eficácia da psicoterapia em larga escala, orientada para o lucro, até as críticas estruturais do capitalismo. Muitos envolvidos no movimento psicodélico mais amplo esperam que a medicina psicodélica seja indicativo de uma nova opção de tratamento da doença mental. 

Vários modelos emergentes, com fins lucrativos, sugerem que os discursos farmacêuticos e de medicalização estão fortemente enraizados no campo da saúde mental, proporcionando quadros existentes para que os interesses privados capitalizem e influenciem o futuro das terapias psicodélicas.

O mercado especulativo de psicodélicos cresceu rapidamente. A Consumer News and Business Channel (CNBC) informa que mais de US$ 800 milhões em capital de risco foram investidos, entre os anos 2017 e 2021, com prospecção de, no mínimo, dobrar o valor, nos cinco anos seguintes. Os principais intervenientes, as empresas cotadas em bolsa Compass Pathways e Atai Life Sciences, estão ambas avaliadas em milhares de milhões de dólares americanos e atraíram o interesse de empresários bilionários. 

Muitas pequenas start-ups psicodélicas surgiram, trazendo consigo uma gama de interesses que abrangem as indústrias farmacêutica, psicoterapêutica e de bem-estar. As possibilidades de monetização são amplas e vão muito além dos campos mais tradicionais da farmacologia, psicoterapia e educação. 

Novas tecnologias, como interface cerebral, realidade virtual, aplicações de bem-estar e rastreio genético são algumas possíveis aplicações futuras. O potencial desta indústria apresenta uma oportunidade atraente de investimento especulativo, embora há poucos anos isto estivesse limitado a empresários simpatizantes da causa e passou a atrair capital de diversos intervenientes, incluindo grandes empresas e indústria.

Os pedidos de patentes para psicodélicos refletem o intensivo crescimento na formulação, administração e nas condições terapêuticas da administração de substâncias psicodélicas. Uma preocupação latente é o fato de as patentes impedirem a investigação científica e a concorrência razoável, em contrapartida com os méritos da concorrência com fins lucrativos, para uma escala e entrega eficazes. 

Grande parte dos debates em torno da mercantilização e monetização das terapias psicodélicas assistidas é contraposta por discussões mais amplas sobre a especulação e os conflitos éticos nos produtos farmacêuticos com fins lucrativos e na prestação de cuidados de saúde mental. 

Parece improvável que os medicamentos psicodélicos sigam os precedentes da prescrição generalizada de antidepressivos que não requer a associação de cuidados psicoterapêuticos. No entanto, existem alguns exemplos, incluindo a administração off-label de cetamina e microdosagens psicodélicas, que apontam para a possibilidade de administração contínua e regular de medicamentos, o que se ajustaria aos modelos farmacêuticos comerciais existentes.

Como as terapias psicodélicas propostas pela maioria dos investigadores diferem significativamente dos protocolos para medicação antidepressiva, gerará uma nova comercialização. Existem várias estruturas possíveis, com fins lucrativos, que vão desde profissionais individuais que administram compostos e psicoterapia em consultório privado até modelos de negócios, em grande escala, com protocolos padronizados e equipes de pessoal psicoterapêutico. 

A maioria dos críticos está preocupada com esses protocolos, especialmente no caso de grandes organizações que pretendem patentear, controlar e marcar todo o processo, desde a síntese e desenvolvimento de medicamentos, até a formação, administração e psicoterapia. Isso levanta preocupações sobre a monopolização e também ameaça o desenvolvimento de abordagens terapêuticas heterogêneas, culturalmente receptivas e inovadoras.

As discussões sobre a comercialização de terapias assistidas por psicodélicos evocam várias questões sociológicas, visto que os psicodélicos se enquadram em um meio cultural bem estabelecido e diversificado, que encontrou muito do seu carácter durante os movimentos de contracultura das décadas de 1960 e 1970. 

A sua aceitação na medicina convencional e na psiquiatria entra em conflito com algumas das crenças destas comunidades e, para muitos, a mercantilização e monetização dos psicodélicos está em desacordo com o seu potencial espiritual e social-transformador percebido. 

Apesar destas críticas, existem perspectivas que, embora simpáticas a estes valores idealistas, priorizam as melhores práticas e a escalabilidade face à comercialização inevitável. Mesmo assim, a probabilidade de uma implementação heterogénea de tratamentos psicodélicos significa que, embora alguns aspectos sejam suscetíveis de serem aceitos nos quadros existentes estabelecidos pelas grandes empresas farmacêuticas, haverá oportunidade para o desenvolvimento de abordagens únicas e inovadoras, que rompam com a realidade existente. 

Referências

ANDREWS, Timothy; WRIGHT, Katie. The frontiers of new psychedelic therapies: A survey of sociological themes and issues. Sociology Compass, v. 16, n. 2, p. e12959, 2022. 

https://doi.org/10.1111/soc4.12959

Horário de atendimento:

Segunda à Sexta-feira das 08:30 às 17:00

Responsável Técnico – Dr Carlos David Segre

CRM 10.596 / SP

+55 11 98993-9921
+55 11 3195-4821

Instituto Alma Viva Ltda – Cnpj: 46.833.974/0001-57 – Rua Sabará, 566 (Conj. 212/214) – Higienópolis – São Paulo – SP

Copyright © 2022 Todos os direitos reservados.


Psiquiatra e psicólogo, ÚLTIMOS DIAS PARA SE INSCREVER para 2ª turma da Pós em Psicoterapia Assistida por Psicodélicos, aprovada pelo MEC. Até 18 de junho, com início no dia 22.