POTENCIAIS APLICAÇÕES DE PSICODÉLICOS EM NEUROCIRURGIA E NEURO-ONCOLOGIA

Após décadas, as investigações sobre a terapia psicodélica assistida (PAT) e os psicodélicos como neuroplastógenos estão ressurgindo na saúde comportamental e na neurociência. Vários ensaios clínicos com psilocibina, dietilamida do ácido lisérgico (LSD), 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA) e outros psicodélicos foram concluídos ou estão em andamento para pacientes com depressão, ansiedade, dependência, estresse pós-traumático transtorno (TEPT), doença terminal e síndromes de dor crônica. 

Os psicodélicos serotoninérgicos clássicos possuem potencial para alterar o humor e o comportamento. Estudos de imagem com psicodélicos também estão ajudando a avançar a compreensão das redes neurais e da conectômica. 

Considerando os aspectos  social e econômico das doenças mentais, a relativa ineficácia de muitas terapias atuais e o alcance dos psicodélicos, o interesse renovado nestes medicamentos vegetais e fúngicos, e nas moléculas semissintéticas e sintéticas descobertas, tornou-se possível oferecer soluções mais efetivas no desenvolvimento das ciências biomédicas. 

A ciência psicodélica e a terapia psicodélica assistida tem um significado potencial para os campos da neurocirurgia e da neuro-oncologia. Os resultados dos ensaios de Fase 2 com psilocibina para depressão e ansiedade e um ensaio recente de Fase 3 com MDMA para TEPT são promissores, tanto em eficácia, como em segurança. 

Imagens funcionais e investigações clínicas com psicodélicos examinaram as redes neurais, correlatos neurais da experiência subjetiva e a interação entre meditação, prática contemplativa e música. A capacidade dos psicodélicos de potencializar a neuroplasticidade está sendo explorada para acidente vascular cerebral, traumatismo crânio encefálico (TCE), distúrbios neurodegenerativos e dor crônica. 

A pesquisa atual no banco de dados mantido pelo National Institutes of Health produz 100 ensaios clínicos para psilocibina (21 concluídos), 21 para dietilamida de ácido lisérgico (LSD) (12 concluídos) e 67 para 3,4-metilenodioximetanfetamina (MDMA) (40 concluídos). 

Os estudos de terapia assistida por psilocibina concentraram-se na depressão e ansiedade, sofrimento existencial e transtornos por uso de substâncias (TUS). Já os ensaios recentes têm como alvo a desmoralização, o luto, a anorexia, o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), a dor de cabeça e a fibromialgia. 

Os dois maiores ensaios randomizados duplo-cegos de Fase 2 para pacientes com câncer com ansiedade e/ou depressão foram realizados na Johns Hopkins (N = 51 indivíduos) e na Universidade de Nova York (N = 29 indivíduos); 6 meses após uma única sessão de psilocibina, precedida e seguida por psicoterapia de apoio, 60% a 80% dos indivíduos tiveram reduções duradouras na ansiedade e/ou depressão. Nestes dois estudos, 6 meses após a terapia assistida com psilocibina, 67% a 70% dos participantes classificaram a sua experiência com psilocibina, como uma das “cinco mais significativas na vida”. 

Estudos com LSD em indivíduos saudáveis ​​​​concentraram-se na neuroplasticidade e na comparação com outros psicodélicos. A duração de uma jornada de LSD em média de 8 a 12 horas (em comparação com 4 a 6 horas para a psilocibina), a torna um modelo de tratamento mais exigente em pessoal e recursos, mas com efeitos promissores para transtornos de humor e dependência. 

Os estudos com MDMA concentraram-se no TEPT (6 ensaios de Fase 2 concluídos, 1 ensaio de Fase 3 concluído), demonstrando forte eficácia e segurança em todos os tipos de TEPT grave. Outros alvos terapêuticos estudados com MDMA incluem ansiedade, transtornos alimentares e transtorno por uso de álcool (AUD). 

O modelo PAT faz parte de todos os modelos de ensaios clínicos e foi concebido para proporcionar uma experiência transformadora e segura ao paciente. Confrontar materiais desafiadores pode levar a mudanças psicológicas profundas e benéficas. 

Do ponto de vista fisiológico, os psicodélicos clássicos e o MDMA são notáveis ​​pelo seu alto perfil de segurança e baixo potencial de dependência. A psilocibina e o LSD causam elevações leves a moderadas na pressão arterial, pulso e respiração, enquanto o MDMA pode causar aumentos modestos na pressão arterial. 

Em ensaios clínicos modernos de psilocibina, LSD e MDMA houve poucos eventos adversos graves, em grande parte devido às diretrizes de segurança e à triagem cuidadosa dos pacientes, excluindo aqueles com histórico pessoal ou familiar de doença mental, com potencial psicótico, como esquizofrenia e/ou transtorno bipolar. 

Em sete dos mais recentes ensaios randomizados controlados por placebo para altas doses de psilocibina, LSD ou MDMA (N total = 249 pacientes), não foram relatados eventos adversos médicos ou psiquiátricos graves. 

Com base em vários estudos de neuroimagem, o mecanismo de ação e durabilidade dos psicodélicos mais aceito é que ao estimular os receptores 5-HT 2A, os psicodélicos clássicos (psilocibina e LSD) afrouxam processos que normalmente agem para restringir os sistemas neurais envolvidos na cognição, percepção, emoção e sentidos. 

Com a terapia assistida por MDMA, uma experiência mística e a dissolução do ego são alcançadas com menos frequência e podem não estar correlacionadas com a eficácia. O MDMA desencadeia a liberação sináptica de serotonina, norepinefrina e dopamina e elevações de oxitocina, cortisol e prolactina, agindo predominantemente em vias envolvidas no processamento emocional e de memória, incluindo hipocampo e córtex insular. 

As propriedades neuroplásticas para curar o cérebro podem se sobrepor e, em alguns distúrbios, poderiam ser potencialmente combinadas com tratamentos existentes, como técnicas de neuromodulação, incluindo estimulação cerebral profunda (ECP), estimulação magnética transcraniana (EMT) e células-tronco. 

Os alvos potenciais do TAP são a depressão, a ansiedade e o TUS que são comuns, subnotificados e frequentemente subtratados em pacientes com tumores cerebrais, acidente vascular cerebral, lesão medular, deficiência espinhal crônica, outros síndromes dolorosas e doença de Parkinson. Como os psicodélicos podem potencializar a neuroplasticidade, a terapia assistida por psilocibina pode ajudar alguns destes pacientes a obter uma maior aceitação da sua deficiência, reduzir a apatia e promover uma vida mais plena. 

A potencial sinergia de psicodélicos como neuroplastógenos, juntamente com técnicas de neuromodulação monitoradas por dados de conectômica cerebral, oferecem uma oportunidade para reimaginar o atendimento multimodal para pacientes com tumores cerebrais, lesões cerebrais e distúrbios neurodegenerativos. 

Dada a segurança e eficácia alcançada até o momento, na terapia assistida por psilocibina, é possível que muitos pacientes com tumor cerebral que apresentam sintomas de depressão, angústia existencial, medo de morrer e/ou ideação suicida possam se beneficiar. 

Os campos da neurocirurgia e da neuro-oncologia têm contribuído imensamente para a melhoria dos pacientes, com um amplo espectro de neuropatologias desafiadoras. O campo nascente da ciência psicodélica oferece novos caminhos potenciais para avançar e remodelar a abordagem aos cuidados de saúde comportamental e para compreender e aproveitar a neuroplasticidade. 

Referências

KELLY, Daniel F. et al. Psychedelic-assisted therapy and psychedelic science: a review and perspective on opportunities in neurosurgery and neuro-oncology. Neurosurgery, v. 92, n. 4, p. 680-694, 2023.

DOI: 10.1227/neu.0000000000002275

Horário de atendimento:

Segunda à Sexta-feira das 08:30 às 17:00

Responsável Técnico – Dr Carlos David Segre

CRM 10.596 / SP

+55 11 98993-9921
+55 11 3195-4821

Instituto Alma Viva Ltda – Cnpj: 46.833.974/0001-57 – Rua Sabará, 566 (Conj. 212/214) – Higienópolis – São Paulo – SP

Copyright © 2022 Todos os direitos reservados.


Psiquiatra e psicólogo, inscrevam-se para 2ª turma, Pós em Psicoterapia Assistida por Psicodélicos, aprovada pelo MEC. As aulas começam em 22 de junho.